Graça Guardia

Textos


CAMINHEIROS
 
Na estrada da vida,
Caminhamos alheios
Ao que nos cerca
Sem muitos rodeios.
 
Viemos perfeito
E, por conta própria,
Com conduta imprópria,
Caímos desfeitos.
 
Ainda célula única
Tornamo-nos múltiplas
No ventre materno.
Oh! Duo eterno...
 
Divinos na essência
Mas teimosos pra valer,
Preferimos aprender
Através da imprudência.
 
Somos seres livres,
Deus que nos livre!
Viva o livre arbítrio!
Quanto conflito!
 
__Senhor, como a planta
    Que procura o sol,
    Buscamos o crisol
    Do amor que suplanta.
 
    Suplanta a dor,
    Suplanta a tormenta
    Que tanto atormenta
    Sem luz e sem cor.
 
    Agora desfeitos,
    No fundo do poço,
    Reconhecemo-nos, Senhor,
    Herdeiros por direito.
 
    Direito ao amor,
    Direito à vida
    Que, em nós, habita
    Com tanto clamor.

    Caminheiros, nós,
    Trazemos no seio
    Todo o anseio
    Em forma de nós.
 
    Como a crisálida
    Que, o casulo, exara
    E, fortalecida,
    Voa sem aparas,
 
    De cegos errantes,
    Pelo amor, despertos,
    Com asas vibrantes,
    Voamos libertos.
 
    Obrigado, Senhor!...
 
 
Graça Guardia
Pelo Espírito Cláudio (02.07.2003)
Graça Guardia
Enviado por Graça Guardia em 07/12/2015
Alterado em 07/12/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras