Graça Guardia

Textos


VAIDADE
 
Vaidade enceguece
E, o ser, embrutece,
Escondido detrás
De gentileza fugaz.
 
Na verdade, aumenta,
Porque alimenta
De sentimento rasteiro,
O próprio roteiro.
 
Roteiro pleno de dor
Pois o ser se esquece
E se ensurdece
Aos apelos do amor.
 
Critica, no irmão,
O que, a si, compete
Pois o julgar reflete,
Da Lei, a infração.
 
E, assim, alardeando
Valor pobre e fugaz,
Segue, relegando,
O cultivo da paz.
 
Considera-se o tal,
Pobre ser imortal:
Belo, sem defeito,
O único perfeito.
 
Cego pelo egoísmo,
Mergulha num abismo,
Por profundo, repleto
Da ausência de afeto.
 
Com o tempo, tudo passa
E o novo Ser apreende
O valor que, ora, rechaça,
E amanhã, n’alma, ascende.
 
A justiça do Pai
Sobre todos recai
E, pela causa, o efeito,
Declara, o bem, eleito.
 
O bem, a todos, basta
E enaltece a humildade
Pois, o orgulho, afasta,
Anulando a vaidade.
 
 
Graça Guardia
Pelo Espírito Juliana (03.03.2004)
 
Graça Guardia
Enviado por Graça Guardia em 10/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras